terça-feira, 11 de julho de 2017

Evolução


Existem homens e homenzinhos. Assim como mulheres e mulherzinhas, mas hoje me foco sobre essa diferença entre homens.

Claro que isso tem tudo a ver com o machismo mais ou menos presente na formação desses seres.

O machismo que faz concluir, por exemplo, que um homem sensível  é um homem gay. Sendo que existem homens heterossexuais sensíveis e homens homossexuais sensíveis. E homens hétero não sensíveis e homens homo não sensíveis. 

Tão simples e óbvio. 

Agora estou falando sobre os heterossexuais. Conheço e admiro muitos que são sensíveis no sentido de se permitirem sentir, levar seu sentimento em consideração, refletir sobre ele e o expressar.

Esse autoconhecimento leva a chamada inteligência emocional (que envolve a racionalidade) e permite que sejam mais empáticos e respeitosos com o próximo e escolhas diferentes das suas.

Permite que reconheçam os sentimentos dos outros ao invés de projetar sua confusão ignorante nos outros.

Permite que se sintam mais seguros para assumirem o que querem.

Exemplo: são homens que não sentem necessidade de provar que são heterossexuais. 

Isso de provar, inclusive, está muito presente entre amigos.

Exemplo: Um homem apaixonado por uma mulher "não aprovada" pelos seus amigos. Se for inseguro, irá esconder o que sente, mentir para ambos os lados e atrairá problemas com essa mulher e com os amigos. Uma vida infeliz.

Se for seguro, se souber o que quer, saberá que os amigos respeitarem sua escolha será prova de amizade e lógico que, consequentemente, saberá que a referida mulher também precisa respeitar os amigos.

Outro exemplo de auto ignorância: Um homem que, devido ao compromisso que assumiu, por opção, com sua mulher, abandona os programas de solteiro, o que não significa abandonar os amigos e os bons amigos saberão disso.

Os "maus amigos" irão provocar e chamar este homem de "pau mandado", dirão coisas como "cadê o macho alfa" ou "está sendo levado na coleira".

O homem seguro do que quer poderá responder: Não, meu amigo! A escolha foi minha. Caso contrário, não teria assumido um compromisso que envolve renúncias dos dois lados.

O homem inseguro, vai quebrar o compromisso com a mulher e cederá. Será vencido pela provocação e provavelmente irá escondido para esse programa de solteiros.
Por que?

Porque se contasse para sua mulher, correria o risco de passar por uma discussão, ser "chutado" ou, o maior medo, daria a prerrogativa para ela fazer a mesma coisa. 

E, meus queridos, ela pode fazer a mesma coisa, aliás, melhor do que ele.

Se uma mulher quiser agir como o idiota inseguro, vai agir e se dar bem. Vai ser mais competente para esconder se quiser esconder e vai pegar quem quiser pegar se tiver vontade.

A diferença é que uma mulher segura, que sabe porque está em um relacionamento (caso contrário, não estaria), não precisa e não fará isso.

Uma mulher segura reconhece suas escolhas, se respeita, respeita seu homem e o compromisso que assumiram juntos. A mesmíssima atitude de um homem seguro.

Tentações sempre existirão para ambos os lados. Se a vontade de permanecer em compromisso for maior, passará. Ficará na fantasia. Em alguns sonhos a noite.

Se a vontade de ceder for maior do que o compromisso, o respeito deverá permanecer, então a honestidade com o parceiro entrará em cena. Podem, por exemplo, optar por um relacionamento aberto ou simplesmente por terminarem o compromisso. 

Mas homenzinhos e mulherzinhas morrem de medo de serem honestos e assumirem suas escolhas. Irão ceder a tentação ou a provocação por baixo dos panos e deixarão o parceiro as cegas, sem o direito de saber a verdade e optar se ficará ou não no relacionamento depois disso.

É provável que todos nós já tenhamos sido um pouco ou muito mulherzinhas e homenzinhos. 

Porém, podemos aprender com os erros. Evoluir e explorar nosso potencial de sermos melhores. Mais conscientes. Mais livres!

Nenhum comentário: